domingo, 31 de julho de 2016

Powerpoint sobre o clima como factor de ambiente

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Powerpoint sobre o clima em Portugal

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box





Powerpoint sobre Gráficos Termopluviométricos

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box





Powerpoint sobre a Caracterização do Concelho de Grândola

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box




Powerpoint sobre a Região Agrária do Alentejo

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box





Sala de Cinema



FILMES
2010• Seed 16min (inglês)
2008• As nossas sementes 57min (português)
2008• Alimentos SA 1h34min (português)
2008• O Mundo Segundo a Monsanto 2h26min (português)
2005• Quem Alimenta o Mundo 1h35min (português)
2005• O Pão Nosso de Cada Dia 1h32min (português)
2004• O Futuro da Alimentação 1h29min (português)
2004• A Vida Fora de Controlo 1h34min (português)
2003• Le Génie Helvétique 1h26min (francês)
1999• De Mão Posta nos Genes 53min (português)

DOCUMENTÁRIOS
2010• Pig Business 47min (inglês)
2009• Poison on the Platter 30min (inglês)
2008• What Rainforest? 36min (inglês)
2008• Carne, uma verdade mais que inconveniente 30min (português)
2008• Milho 54min (português)
2007• TranXgenia - A História da Lagarta e do Milho 36min (português)
2007• A Disaster in Search of Success - Bt Cotton in Global South 50min (inglês)
2007• The Dying Fields 51min (inglês)
2006• Brevet pour le Porc 45min (francês)
2005• Genetically Modified Food - Panacea or Poison? 53min (inglês)
2005• Transgénicos - A Manipulação dos Campos 23min (português)
2005• A Silent Forest 46min (inglês)
2004• A Guerra das Culturas Transgénicas 46min (português)
2004• La Poderosa Agricultura Europea 59min (castelhano)
2004• Bt Fiasco in India 30min (inglês)
2004• Corporate Agriculture - The Hollow Men 45min (inglês)
2002• Fedup 57min (inglês)
2002• Qué Comemos Hoy? 51min (castelhano)
2001• Harvest of Fear 1h49min (inglês)
2000• Transgénicos - Serão Seguros? 49min (português)

REPORTAGENS
2010• El Veneno de las Pampas 26min (castelhano)
2009• Nem um Minuto de Silêncio - Fora Syngenta do Brasil 23min (português)
2009• Los Campos de la Muerte 12min (castelhano)
2009• Killing Fields 12min (inglês)
2009• La Guerra de la Soja 42min (castelhano)
2009• Ingeniería Genética - Demasiada Incertidumbre 9min (castelhano)
2009• Biosfera - Polinizadores em risco 44min (português)
2009• Cocinar sin Transgénicos 13min (castelhano)
2008• Paraguay's Painful Harvest 24min (inglês)
2008• Lanceurs d'Alerte 14min (francês)
2007• La Bombe OGM 14min (francês)
2007• OGM - L'Envahisseur 10min (francês)
2006• The Genetic Conspiracy 26min (inglês)
2005• OGM - L'Etude qui Accuse 23min (francês)
2005• Genetically Modified Foods 25min (inglês)
2005• Argentine, le Soja de la Faim 23min (francês)
2004• Fome de Soja 51min (português)
2003• OGM et Moi 35min (francês)
2003• Slice of Life 12min (inglês)
2000• Stop the Crop 18min (inglês)
---• Soja - Em Nome do Progre$$o 16min (português)
---• Óleo de Soja não Rotulado no Brasil 10min (português)
---• Hidden Dangers in Kids Meals 28min (inglês)
---• GMO Containment? 10min (inglês)
---• De Trigo y Maiz 4min (castelhano)
---• Genetically Modified Food in Victoria (Australia) 2min (inglês)

ENTREVISTAS & PALESTRAS
2010• Hans Herren at the 6th European Conference of GMO-Free Regions 11min (inglês)
2010• An 11-year-old schools us on what’s wrong with the current food system 5min (inglês)
2010• Vandana Shiva's Speach at the GMO-Free Conference in Brussels 20min (inglês)
2010• Prof Séralini Interviewed About Organ Damage Linked to GM Maize 10min (inglês)
2009• The World Food Crisis 1h13min (inglês)
2009• Climate Change and Food 1h20min (inglês)
2009• Jeffrey Smith - Everything you HAVE TO KNOW about Dangerous Genetically Modified Foods 1h26min (inglês)
2009• Consumo de transgénicos en España 11min (castelhano)
2009• Michael Pollan - Deep Agriculture 1h26min (inglês)
2009• Conferência de Christian Vélot em Lisboa 1h56min (inglês)
2009• BigPicture interviews Dr. Mae Wan Ho 17min (inglês)
2009• Marion Nestle - What to Eat 1h5min (inglês)
2009• Claire Hope Cummings 25min (inglês)
2008• How to Monopolize Food, Monsanto Style (Interview with James Steele) 18min (inglês)
2008• Vandana Shiva on The New Food Wars - Globalization, GMOs and Biofuels 59min (inglês)
2008• Hugh Grant vs Michael Pollan 36min (inglês)
2008• Interview with Prof Patrick Wall, Former Chair, EFSA 20min (inglês)
2008• Making a Killing from the Food Crisis 4min (inglês)
2007• Anuradha Mittal on The Myths of Genetic Engineering and the New Green Revolution for the World's Poor 21min (inglês)
2007• Los Transgenicos - Conferencia de Jorge Ruli en Buenos Aires 1h20min (castelhano)
2007• RTP 2 - Entre Nós (2007) 27min (português)
2005• The Health Dangers of Genetically Engineered Foods and their Cover-up 60min (inglês)
2005• Conférence de Christian Vélot 46min (francês)
2004• Vandana Shiva: Planting the Seeds for Change 51min (inglês)
2003• A Ameaça dos Transgênicos 22min (português)
2003• Enviro Close-Up with Andrew Kimbrell - Challenging Corporate GLobalization 31min (inglês)

DEBATE EM PORTUGAL
2008• Luís Fazenda - "Promiscuidade com o negócio" norteou política OGM 2min (português)
2007• SIC - Reportagem Especial 21min (português)
2007• Sociedade Civil 1h10min (português)
2007• RTP N - Fórum do País 1h00min (português)
2007• Biosfera - Ensaios em Rio Maior 43min (português)
2006• Biosfera - João Vieira vs. Pedro Fevereiro 42min (português)
2004• Causas Comuns 24min (português)
1999• Central Urbana 1h11min (português)
1999• Consultório 40min (português)

ANIMAÇÕES
2010• La Cesta de Caperucita 20min (castelhano)
2009• Genetic Engineering - The World's Greatest Scam? 4min (inglês)
2009• Copier Coller 3min (francês)
2007• A Revolução das Bocas 6min (português)
2005• A Guerra da Mercearia 6min (português)
2004• The TRUE Cost of Food 15min (inglês)
---• Meatrix 1 4min (português)
---• Meatrix 2 5min (português)
---• Meatrix 2,5 2min (português)
---• O Código Bio di Versidade 5min (português)
---• Cows with Guns 5min (inglês)
---• Backwards Hamburger 3min (inglês)
---• Roundup 2min (inglês)
---• Genetically Modified Foods (Jenna) 1min (inglês)
---• Krafted 1min (inglês)
---• Under the Peel 1min (inglês)

ACTIVISMO
2010• Ceia de Natal com Transgénicos? 3min (português)
2010• Brussels is Decontaminated 5min (inglês)
2010• Monsanto Blockade 5min (inglês)
2009• Cruzada Anti-Transgénicos 2min (português)
2008• This Lawn is Your Lawn 5min (inglês)
2008• Herdade da Lameira 12min (português)
2008• Organizações de Ambiente Protestam Contra Ensaios numa Herdade em Monforte 1min (português)
2007• Rio Maior, Zona Livre de Transgénicos 10min (português)
2007• Corn Martyr Suicide 3min (inglês)
2007• A Dark Day in the History of Vegetables 3min (inglês)
2006• Stop GMO - Voluntary mowing of a GMO field in July 2006 near Berlin 17min (inglês)
2006• Activists Invade Pro-GMO Conference 6min (português)
2006• O Dia da Biodiversidade 10min (português/inglês)
---• La Génétique do Fachisme 8min (francês)

CLIPS
2010• OGM e Alimentação 3min (português)
2010• Los Alimientos Geneticamente Modificados Tambien Te Modifican a Ti 1min (castelhano)
2010• Just say "No to GMO!" rap song 3min (inglês)
2010• Farmers Speak - Bust Up Big Ag 7min (inglês)
2009• Super Weed Can't Be Killed 2min (inglês)
2009• Arroz Transgênico 1min (português)
2009• Organic Austria Resists GMOs 8min (inglês)
2009• China Rice Tour 2min (inglês)
2008• Red, Green or GE 8min (inglês)
2008• First Documented Case of Pest Resistance to Biotech Cotton 3min (inglês)
2004• Contaminated - The New Science of Food 7min (inglês)
---• Is Genetically Engineered Food Hurting our Children? 2min (inglês)
---• Genetically Modified World 3min (inglês)
---• Bt, Bugs and Evolution 5min (inglês)
---• Genetically Modified Fish 3min (inglês)

ARROZ
2009• Arroz Transgênico 1min (português)
2009• Ministerio del Arroz 2min (castelhano)
2009• China Rice Tour 2min (inglês)

ALTERNATIVAS
2009• Roger Doiron - Doom and Bloom, How Small Gardens Can Help Feed and Save a Big, Hot and Hungry World 1h (inglês)
2009• Inside the White House - The Garden 8min (inglês)
2009• A Farm for the Future 49min (inglês)
2008• Homegrown Revolution 2min (inglês)
2007• Biosfera - Biodiversidade Agrícola 43min (português)
2007• Gardens of Destiny 75min (inglês)
2007• Planeta Verde - Agricultura Biológica 4min (português)
2006• The Power of Community 53min (inglês)
2006• Guerre et Paix dans le Potager 1h41min (francês)
2005• Pesticides... Non Merci! 47min (francês)
2004• Permaculture and Peak Oil - Beyond Sustainability (Interview with David Holmgren) 25min (inglês)
2004• The Impact of Fresh Healthy Food on Learning and Behavior 15min (inglês)
2004• Alternative Agriculture 45min (inglês)
2001• El Rebelde del Agro 44min (castelhano)
1987• O Homem que Plantava Árvores 30min (português)
1977• Living the Good Life 30min (inglês)
---• Soberanía Alimentaria 5min (castelhano)
---• Sembrar para Comer 5min (castelhano)
---• Greening the Desert 10min (inglês)

EMPRESAS
2009• Nightmare At Pfizer - Injured Biotech Worker Becky McClain Speaks at 2009 Workers Memorial Day 28min (inglês)
2008• Agricultural Giant Battles Small Farmers 4min (inglês)
2008• Securitas, un Privé qui Vous Surveille 32min (francês)
2004• Sweet Misery 1h30min (inglês)
2004• Lord of the Rings - Fellowship of the Ring of Free Trade 6min (inglês)
2004• Lord of the Rings - The Twin Towers 15min (inglês)
2003• The Corporation 2h57min (inglês)
---• Fox News Kills Monsanto Story 10min (inglês)

ETC
2009• Landliebe Milch, ohne Gentechnik 1min (alemão)
2008• Confidential 2min (inglês)
2008• Your Milk on Drugs 18min (inglês)
2006• The Ghost in Your Genes 48min (inglês)
---• Farm Fresh Food 31min (inglês)
---• Test Tube Food 4min (inglês)
---• How Much Will New Genetically Engineered Giant Crabs Help America? 3min (inglês)
---• Disney's Genetic Engineering 3min (inglês)

PRÓ-OGM - Os filmes abaixo defendem o ponto de vista da indústria dos transgénicos
2008• Jimmy's GM Food Fight 59min (inglês)
2008• Restoring Lost Cover 21min (inglês)
2007• Nurturing the Seeds of Cooperation - The Papaya Network of Southeast Asia 18min (inglês)
2006• Mieux s'Informer 19min (francês)
2005• Fruits of Partnerships 19min (inglês)
2004• Asia's First - The Bt Corn Story in the Philippines 18min (inglês)
---• Silver Fields of Gold - The Story of Bt Cotton in China 20min (inglês)
---• The Story of Bt Cotton in India 21min (inglês)

sábado, 30 de julho de 2016

Powerpoint sobre as Células



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Resumo sobre Organização Celular



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Ficha de Trabalho sobre Células/Organitos Celulares




Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo sobre Paramécias

Vídeo sobre uma Amiba em Movimento

Powerpoint sobre Microscopia

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Ficha Informativa / Protocolos Experimentais



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Resumo sobre a Célula e Organitos Celulares



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo BBC - A Célula - Episódio 1 - A Química da Vida





Título Original: The Cell
Gênero: Documentário
Ano de Lançamento: 2009


Série da BBC em três episódios na qual o biólogo Dr. Adam Rutherford conta a extraordinária história da busca científica para desvendar os segredos da célula e da própria vida. Todos os seres vivos são feitos de células, unidades estruturais dotadas de poder e complexidade quase inimagináveis.









Vídeo BBC - A Célula - Episódio 2 - O Reino Oculto



Título Original: The Cell
Gênero: Documentário
Ano de Lançamento: 2009


Série da BBC em três episódios na qual o biólogo Dr. Adam Rutherford conta a extraordinária história da busca científica para desvendar os segredos da célula e da própria vida. Todos os seres vivos são feitos de células, unidades estruturais dotadas de poder e complexidade quase inimagináveis.








Resumo sobre as Plantas Vivazes

As plantas vivazes são plantas que duram vários anos mas que não acumulam ramos de madeira, contrariamente aos arbustos e às árvores. É por isso que se chamam perenes. Encontrará uma variedade extraordinária de flores e de folhagem, mas também bagas, além de cores de Outono. É impossível não as ter no jardim !



Antes de plantar...
A palete de plantas vivazes é tão grande que tem que pensar qual o efeito que deseja obter. Algumas são conhecidas como sendo fáceis de cultivar (as ásters, por exemplo), outras pelo seu tamanho grande (as eulálias ou Miscanthus) e outras ainda, pela sua floração sem igual (como as gaura). Há também pequenas jóias muito frágeis, belas, como as orquídeas ou com uma cor muito distinta. Experimente-os se já tem alguma experiência, mas se é principiante escolha valores seguros.
Todas as cores e todas as folhagens são possíveis: faça a sua escolha associando vários tipos. Algumas vivazes têm tendência a crescer em tufos densos e apertados como o lírio da Sibéria enquanto que, outros se espalham em tufos largos e podem mesmo ser invasivas como a neve-na-montanha (Aegopodium podagraria 'Variegata'). As plantas vivazes grandes podem servir de sebe sazonal (desaparecem no Inverno), ou podem preencher a parte detrás de um maciço. As mais pequenas devem ser colocadas na frente dos maciços ou junto do pé dos arbustos, para cobrir o solo. Chamam-se “cobertura” porque têm tendência a espalhar-se, como por exemplo, os gerânios vivazes.




Na altura de plantar
A melhor época para plantar as vivazes é na Primavera ou no Outono. Num clima quente é preferível plantar no Outono para que os indivíduos se instalem durante a época de repouso. Nos outros sítios, plante na Primavera depois de terem passado as geadas. É preferível plantar quando a planta ainda está a hibernar: os vasos grandes com plantas em flor que encontramos à venda dar-nos-ão efeito imediato mas não serão elas que nos darão maior satisfação, acredite !
Desfazer o torrão não é tão crucial para as plantas vivazes como o é para as árvores e os arbustos. Como não produzem ramos, as raízes não vivem muito tempo sendo depois substituídas por outras. No entanto, com solo argiloso ou pobre é preferível espalhar as raízes no fundo do buraco de plantação pois assim ficam mais em contacto com a terra. Enriqueça a terra com substrato: as plantas vivazes adoram isso. Mas evite o estrume não decomposto que as faz apodrecer. Para as mais gulosas, que formam caules grandes ou folhas grandes, dê-lhe um pouco de fertilizante no fim do Inverno.


Cuidar delas
No Outono, as plantas vivazes gostam que lhes coloquem uma camada de folhas mortas no solo à volta delas. Limpe-as no fim do Inverno quando os rebentos jovens se formam na base dos caules velhos. Cuidado com o ataque das lesmas que roem os rebentos tenros. Um produto anti-lesma feito à base de fosfato férrico, respeita a fauna e o ambiente, mas será de grande utilidade.

Resumo sobre as plantas de bolbos

As plantas de bolbos constituem um pequeno milagre da natureza: enterra-se uma "cebola" e alguns meses mais tarde, vemos sair um caule vigoroso com flores sumptuosas! No entanto, é bastante delicado conseguir que volte a dar flores...



Antes de plantar...
Verifique o seu tipo de terra : os solos pesados e argilosos, que retêm muita água no Inverno não são indicados para os bolbos. Eles preferem solos que drenem bem e que sejam ricos, como o solo limoso. Todos necessitam de luz em proporções variáveis. A falta de luz impede-os de reconstituir as suas reservas depois de darem flor e vão florindo cada vez menos. De qualquer maneira, não é fácil de voltar a fazer florir as túlipas com flores dobradas e as coroas imperiais, que são muito exigentes. Prefira os bolbos mais fáceis, que se naturalizam voltando a semear-se no jardim. O muscaris e o Galanthus são extraordinários, em grandes colónias, debaixo das árvores.
Os bolbos de verão, dálias e gladíolos, são menos exigentes pois não terão de passar o inverno na terra. Também gostam do sol directo. Como não quer deixar o lugar vazio no Inverno, durante a época fria pense em substituí-los por plantas com interesse invernal, como a urze colorida ou as couves de ornamento.



Na altura de plantar
Trabalhe a terra em profundidade e se estiver um pouco compacta, misture-lhe matérias que facilitarão o escoamento da água tal como o composto fibroso. Não faça uma camada de gravilha, no solo argiloso mesmo se por vezes se recomenda que se faça tal coisa. A água vai acumular-se como se fosse uma banheira e os bolbos vão apodrecer. Enterre os bolbos na profundidade devida, isto é, três vezes a sua altura. Numa terra arenosa, plante-os um pouco mais profundo e um pouco menos profundo se a terra for pouco drenante. Coloque-os com o rebento virado para cima. Em caso de dúvida, plante-os de lado e o caule encontrará ela mesma a boa orientação. Não coloque fertilizantes nem regue depois de plantar: os bolbos desenrascam-se. Marque o sítio onde os plantou para que não se esqueça deles e os vá perturbar sem dar por isso !


Cuidar deles
As plantas de bolbos são vegetais muito fáceis. Não é necessária rega pois eles entram em hibernação quando as condições se tornam desfavoráveis. Deixe a folhagem mesmo depois de terem florido. Não deve cortar nem atar as folhas pois deixariam de ter luz e no ano seguinte não voltariam a florir.
No Outono, arranque os bolbos de verão e guarde-os na cave à temperatura entre 5-10ºC, ao abrigo do gelo e da luz. Não se esqueça de lhes colocar etiquetas para saber qual é a sua cor. Os bolbos que dão flor na primavera e que passaram o inverno na terra não necessitam de ser arrancados depois de murcharem.

Resumo sobre Microscopia



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo BBC - A Célula - Episódio 3 - A Centelha da Vida





Powerpoint sobre a Evolução dos Sistemas de Classificação

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint sobre os Critérios de Classificação dos Seres Vivos

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Resumo sobre a Evolução dos Sistemas de Classificação


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Resumo sobre os Critérios de Classificação dos Seres Vivos 1


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Resumo sobre os Critérios de Classificação dos Seres Vivos 2


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Powerpoint sobre Ecossistemas - Factores Abióticos





Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box




Powerpoint sobre Empreendedorismo



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



Powerpoint sobre Empreendedorismo


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



Empreendedorismo - Powerpoint sobre a Valorização e Empreendedorismo Rural

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Powerpoint sobre o Reino Monera - A Importância das Bactérias

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint sobre o Reino Monera



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint sobre Reino Protista

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box




Resumo sobre o Reino Monera


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Resumo sobre o Reino Fungi


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Resumo sobre o Reino Protista


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Resumo sobre os Reinos Monera, Fungi e Protista


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Powerpoint sobre o Reino Fungi

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint sobre as Áreas Protegidas de Âmbito Nacional


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



Powerpoint sobre Sistemática - Categorias Taxonómicas e Regras Básicas de Nomenclatura

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Powerpoint sobre Morfologia Externa das Plantas Vasculares

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint sobre Reino Plantae

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint sobre o Reino Animalia

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Powerpoint sobre Gimnospérmicas e Angiopérmicas

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Powerpoint sobre Lineu e o Desenvolvimento das Classificações

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Rede Nacional de Áreas Protegidas . RNAP

A classificação de uma Área Protegida (AP) visa conceder-lhe um estatuto legal de protecção adequado à manutenção da biodiversidade e dos serviços dos ecossistemas e do património geológico, bem como à valorização da paisagem

O processo de criação de Áreas Protegidas é actualmente regulado pelo Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho. A classificação das AP de âmbito nacional pode ser proposta pela autoridade nacional (ICNB) ou por quaisquer entidades públicas ou privadas; a apreciação técnica pertence ao ICNB, sendo a classificação decidida pela tutela. No caso das AP de âmbito regional ou local a classificação pode ser feita por municípios ou associações de municípios, atendendo às condições e aos termos previstos no artigo 15.º do Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho.
As tipologias existentes são Parque nacional, Parque natural, Reserva natural, Paisagem protegida e Monumento natural; com excepção do “Parque Nacional” as AP de âmbito regional ou local podem adoptar qualquer das tipologias atrás referidas, devendo as mesmas ser acompanhadas da designação “regional” ou “local”, consoante o caso (“regional” quando esteja envolvido mais do que um município, “local” quando se trate apenas de uma autarquia).

O Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, prevê ainda a possibilidade de criação de Áreas Protegidas de estatuto privado (APP), a pedido do respectivo proprietário; o processo de candidatura, a enviar ao ICNB, está regulado pela Portaria n.º 1181/2009, de 7 de Outubro, envolvendo o preenchimento de um Formulário, disponível num canal deste site.

As AP de âmbito nacional e as APP pertencem automaticamente à RNAP (Rede Nacional de Áreas Protegidas); no caso das AP de âmbito regional ou local a integração ou exclusão na RNAP depende de avaliação da autoridade nacional.

Lista de tipologias de Áreas Protegidas

PARQUE NACIONAL
Entende-se por parque nacional uma área que contenha maioritariamente amostras representativas de regiões naturais características, de paisagens naturais e humanizadas, de elementos de biodiversidade e de geossítios, com valor científico, ecológico ou educativo.
A classificação de um parque nacional visa a protecção dos valores naturais existentes, conservando a integridade dos ecossistemas, tanto ao nível dos elementos constituintes como dos inerentes processos ecológicos, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.

PARQUE NATURAL
Entende-se por parque natural uma área que contenha predominantemente ecossistemas naturais ou seminaturais, onde a preservação da biodiversidade a longo prazo possa depender de actividade humana, assegurando um fluxo sustentável de produtos naturais e de serviços.
A classificação de um parque natural visa a protecção dos valores naturais existentes, contribuindo para o desenvolvimento regional e nacional, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.

RESERVA NATURAL
Entende-se por reserva natural uma área que contenha características ecológicas, geológicas e fisiográficas, ou outro tipo de atributos com valor científico, ecológico ou educativo, e que não se encontre habitada de forma permanente ou significativa.
A classificação de uma reserva natural visa a protecção dos valores naturais existentes, assegurando que as gerações futuras terão oportunidade de desfrutar e compreender o valor das zonas que permaneceram pouco alteradas pela actividade humana durante um prolongado período de tempo, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.

PAISAGEM PROTEGIDA
Entende-se por paisagem protegida uma área que contenha paisagens resultantes da interacção harmoniosa do ser humano e da natureza, e que evidenciem grande valor estético, ecológico ou cultural.
A classificação de uma paisagem protegida visa a protecção dos valores naturais e culturais existentes, realçando a identidade local, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.

MONUMENTO NATURAL
Entende-se por monumento natural uma ocorrência natural contendo um ou mais aspectos que, pela sua singularidade, raridade ou representatividade em termos ecológicos, estéticos, científicos e culturais, exigem a sua conservação e a manutenção da sua integridade.
A classificação de um monumento natural visa a protecção dos valores naturais, nomeadamente ocorrências notáveis do património geológico, na integridade das suas características e nas zonas imediatamente circundantes, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.

ÁREA PROTEGIDA PRIVADA
Pode ser classificada área protegida de estatuto privado, designada área protegida privada, em terrenos privados não incluídos em áreas protegidas onde se regista a ocorrência de valores naturais que apresentem, pela sua raridade, valor científico, ecológico, social ou cénico, uma relevância especial que exija medidas específicas de conservação e gestão.
A designação é feita a pedido do respectivo proprietário, mediante um processo especial de candidatura (regulado pela Portaria n.º 1181/2009, de 7 de Outubro) e o reconhecimento pela autoridade nacional. Os terrenos a que for atribuída a designação de área protegida privada integram a RNAP e ficam sujeitos ao protocolo de gestão que for acordado com a autoridade nacional na sequência do seu reconhecimento.

O que são as Áreas protegidas de âmbito nacional?

Áreas protegidas de âmbito nacional são áreas criadas e geridas pela autoridade nacional, podendo no entanto ser propostas por quaisquer entidades públicas ou privadas, nomeadamente autarquias locais e associações de defesa do ambiente. Tipologias admitidas: Parque nacional, Parque natural, Reserva natural, Paisagem protegida, Monumento natural.

PARQUE NACIONAL
Entende -se por «parque nacional» uma área que contenha maioritariamente amostras representativas de regiões naturais características, de paisagens naturais e humanizadas, de elementos de biodiversidade e de geossítios, com valor científico, ecológico ou educativo.
A classificação de um parque nacional visa a protecção dos valores naturais existentes, conservando a integridade dos ecossistemas, tanto ao nível dos elementos constituintes como dos inerentes processos ecológicos, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.

No território português a única Área Protegida que beneficia deste estatuto é o Parque Nacional da Peneda-Gerês, criado em 1971.


PARQUE NATURAL
Entende-se por «parque natural» uma área que contenha predominantemente ecossistemas naturais ou seminaturais, onde a preservação da biodiversidade a longo prazo possa depender de actividade humana, assegurando um fluxo sustentável de produtos naturais e de serviços.
A classificação de um parque natural visa a protecção dos valores naturais existentes, contribuindo para o desenvolvimento regional e nacional, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.
Em Portugal continental, existem actualmente treze Parques Naturais: Montesinho; Douro Internacional; Litoral Norte; Alvão; Serra da Estrela; Tejo Internacional; Serras de Aire e Candeeiros; São Mamede; Sintra-Cascais; Arrábida; Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina; Vale do Guadiana; e Ria Formosa. Os Parques Naturais da Serra da Estrela e da Arrábida foram criados em 1976, enquanto o do Litoral Norte data de 2005.


RESERVA NATURAL
Entende-se por reserva natural uma área que contenha características ecológicas, geológicas e fisiográficas, ou outro tipo de atributos com valor científico, ecológico ou educativo, e que não se encontre habitada de forma permanente ou significativa.
A classificação de uma reserva natural visa a protecção dos valores naturais existentes, assegurando que as gerações futuras terão oportunidade de desfrutar e compreender o valor das zonas que permaneceram pouco alteradas pela actividade humana durante um prolongado período de tempo, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.

Estão classificadas nove Áreas como reservas naturais o Sapal de Castro Marim e Vila Real de Santo António que data de 1975, sendo aliás a primeira AP criada após o 25 de Abril, as Dunas de São Jacinto, a Serra da Malcata, o Paul de Arzila, as Berlengas, o Paul do Boquilobo, o Estuário do Tejo, o Estuário do Sado, as Lagoas de Santo André e da Sancha, a mais recente, de 2000.


PAISAGEM PROTEGIDA
Entende-se por «paisagem protegida» uma área que contenha paisagens resultantes da interacção harmoniosa do ser humano e da natureza, e que evidenciem grande valor estético, ecológico ou cultural.
A classificação de uma paisagem protegida visa a protecção dos valores naturais e culturais existentes, realçando a identidade local, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.
De âmbito nacional, figuram as Paisagens Protegidas da Serra do Açor, de 1982 e da Arriba Fóssil da Costa da Caparica, de 1984.


MONUMENTO NATURAL
Entende -se por monumento natural uma ocorrência natural contendo um ou mais aspectos que, pela sua singularidade, raridade ou representatividade em termos ecológicos, estéticos, científicos e culturais, exigem a sua conservação e a manutenção da sua integridade.
A classificação de um monumento natural visa a protecção dos valores naturais, nomeadamente ocorrências notáveis do património geológico, na integridade das suas características e nas zonas imediatamente circundantes, e a adopção de medidas compatíveis com os objectivos da sua classificação.
Os Monumentos Naturais actualmente classificados são sete:
Ourém/Torres Novas (integrado no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros), sendo o mais antigo e datando de 1996; Carenque; Cabo Mondego; Pedreira do Avelino; Pedra da Mua e Lagosteiros (os dois últimos integrados no Parque Natural da Arrábida) e Portas de Ródão, o mais recente, de 2009.


MN Cabo MondegoMN Portas do RódãoMN Ourém/Torres Novas 
MN CarenqueMN Pedra da MuaMN LagosteirosMN Pedreira do Avelino