Notícia - Investigadores acreditam que hiperactividade de zona do cérebro pode significar aumento do risco de Alzheimer

A hiperactividade no hipocampo, zona do cérebro com um papel crucial na memória, pode querer dizer que uma pessoa tem um risco acrescido de vir a sofrer de Alzheimer nas próximas décadas, sugerem cientistas britânicos. Os resultados da investigação foram publicados ontem na revista “Proceedings of the National Academy of Science”.

A comunidade científica já tinha estabelecido a ligação entre o gene ApoE4 e a doença de Alzheimer. Agora, estes investigadores relacionaram este gene ao aumento da actividade no hipocampo em pessoas jovens, noticiou a BBC online.

Para a descoberta foram realizados testes a 36 voluntários - com idades entre os 20 e os 35 anos – a fim de comparar a actividade cerebral.

Os cientistas da Universidade de Oxford e do Imperial College London esperam que a sua descoberta possa simplificar os testes para identificar as pessoas com maiores riscos de desenvolver esta demência. Com uma identificação mais rápida seria possível começar um tratamento mesmo antes dos primeiros sintomas.

“Um simples teste poderia distinguir as pessoas que vão sofrer de Alzheimer”, comentou a investigadora que coordenou a investigação Clare Mackay, da Universidade de Oxford, citada pela BBC online.

No entanto, o neurocientista Peter Nestor, da Universidade de Cambridge, aconselha prudência. “As descobertas deste estudo são interessantes mas não devem ser consideradas prova irrefutável de que a doença de Alzheimer já se está a começar a desenvolver neste grupo de voluntários jovens e saudáveis”.

Comentários